sábado, 3 de maio de 2008

POEMA

OS MENINOS

Dormem em posição absoluta
Mistos de sonho e dor, nus na gruta
Sob a luz que os estampa e executa
Rompantes de impotência bruta

Dormem em posição fetal de luta
A avistar o centro, adentro, ultra
Sonoros gestos sem escuta
Gestos de cor em cor abrupta

Dormem em posição irresoluta
Ao apagar da existência súbita
Sós, entre o só e a disputa
Premente na cabeleira arguta

Dormem, enfim, em posição soluta
Irmãos em mãos serenas e minutas
Signos da solidão que se permuta
A caminhar pelo sonho em mentes muitas

E se dormem até que o acordar resulta
Se entre dentes, severos, ou outra
Posição que a mente insulta
Voltam ao dormir que a vida avulta

Marcley de Aquino

3 comentários:

Paulo disse...

Bom poema clássico. As rimas são bem colocadas e as imagens são não-vulgares.
Paulo
editor
http://www.livrossensuais.com

Paulo disse...

Bom poema clássico. As rimas são bem colocadas e as imagens são não-vulgares.
Paulo
editor
http://www.livrossensuais.com

Marcley disse...

"Os meninos" é uma tentativa de interpretação poética desta belíssima série de pinturas do amigo e grande artista plástico Fernando França. A ele sou grato pela postagem do poema. Ao Paulo, pelo comentário elogioso. Aos demais, pela leitura.
Marcley